Páginas

Incompreendida.



Estou confusa e pela primeira vez depois de muito tempo as palavras alheias causaram sobre mim um estrondoso efeito e não, não foi o do álcool. Estou completamente lúcida e sinto como se estivesse sofrendo um choque térmico por causa da tremulidade em meu rosto, causada pela diferença de temperatura da água fria do chuveiro e de minhas lágrimas quentes e ácidas. Estou passando por uma das fases mais difíceis de minha vida e estou tendo que enfrentá-la sozinha ou com corpos desconhecidos. "Como é que eles não podem ver?", eis a pergunta que fiz e refiz a mim mesma milhares de vezes. Comigo eles estão decepcionados, boquiabertos, impressionados mesmo. Logo eu, a menina meiga e correta, a garota sensata, inteligente... Eu dei as costas bruscamente para todos eles de uma maneira que fez meus cabelos serem jogados ao vento e saí, saí sozinha e sem rumo. O amor meus caros, mexe, modifica demais a gente. Se eu bebi? Sim. Se eu gritei? Sim. Se eu briguei? Sim. Se eu me joguei? Sim. Fui correr atrás do proibido, beijei desconhecidos, fiquei tão bêbeda a ponto de esquecer o caminho de casa. Fiz tudo isso, fiz muito mais. Todos eles, todos os meus "amigos" me questionavam o porque de tanta mudança. Como assim? Eu quem tenho que dizer? Está tudo tão na cara... Eles falaram e eu nem liguei, afinal, ninguém ali tinha razões para tentar me mudar, ninguém ali se pôs à disposição de procurar saber quem realmente sou. Não, não sou mesmo o que tenho mostrado, nisso eles até estão certos. Mas eles não sabem o que eu sei, eles não sabem o que eu enfrentei, não sabem a dor pela qual passei e sozinha! Eles não sabem quem é você e nem tem noção do efeito que você causava sobre mim, eles deveriam saber, oras! Deviam saber sem que eu precisasse falar.  Mas só você sabe e somente suas palavras me fariam mudar.  Seria à sua voz que estaria disposta a escutar, porque é você o único que ouve o som emitido pelo meu coração e o compreende, é você o único capaz de ler a melodia escrita em meus olhos. Por você eu estamparia em meu rosto um sorriso. Agora, chorando novamente trancada nesse banheiro, estou decidida a parar. Desse jeito eu não consigo mais me entregar e para mim, machucar o coração de alguém é pior do que ter o meu próprio esmagado. Mesmo que eles não entendam as entrelinhas do que digo, eles me amam e merecem uma segunda chance por depois de tudo que eu disse, não terem desistido. Eu vou porque sei que você não volta, mesmo que entenda, não volta. Vou porque concluí que não amar dói mais que amar. 


Eu não consigo sem você.





Tem uma coisa aqui dentro que está sendo difícil de lidar, algo que sobe do estômago ao peito e que é horrível. Fecho as mãos com força tentando expulsar isso de mim, mas está difícil. Eu sorrio o dia inteiro, faço até graça, mas no caminho de volta pra casa essa angústia me consome. Vem assim, do nada e de repente tenho vontade de chorar... Eu engulo, dou o goto e dói demais, demais! Por você? Será que é mesmo por você? Também. Os ventos não sopram em boa direção ou na contramão, eles oscilam o tempo inteiro e formam milhares de pequenos redemoinhos ao meu redor. Tudo gira, vai e volta e me deixa tonta, mais confusa do que já estou. Tudo meio que de uma só vez, as piores lembranças do passado voltam a me atormentar, chegam e levam pra longe os meus sorrisos, alimentam-se das minhas lágrimas que só cessam quando de cansaço, meus olhos não suportam a dor de permanecerem abertos olhando para a escuridão das paredes do meu quarto, fecham-se lentamente, entorpecendo meu corpo pouco a pouco. Acordo com dificuldade para sorrir, faço um enorme esforço para mover os músculos de meu rosto e deixar o máximo afastados os cantos de minha boca. Ao conseguir, brinco de congelar e levo comigo esse sorriso, brinco comigo mesma de estar feliz e às vezes, juro, quase me convenço. Tá triste demais, amargo demais e eu necessito de você aqui comigo para poder encostar em teu peito a minha cabeça e suspirar aliviada, pra poder sentir o toque delicado de seu polegar em meu rosto, enxugando as minhas lágrimas. Eu só queria a sua mão segurando a minha, seu braço em meu ombro, seu abraço me reconfortando. Outra pessoa não importa, não interessa, porque de todas as que por aqui passaram, apenas você conseguiu mexer comigo, conseguiu despertar em mim o meu verdadeiro eu, me permitiu deixar aflorar toda a minha sensibilidade e sem medos te contar meus segredos. Estou tentando, mas não sei se vou conseguir... Eu não sou tão forte assim e só queria que alguém percebesse. Todas as noites ao deitar a cabeça em meu travesseiro peço para que Deus me ajude e faça tudo voltar ao seu devido lugar, rezo para que no dia seguinte tudo passe, tudo seja azul. Só que aí, nada mais é colorido e tudo é tão embaçado, tão desencaixado e fora do lugar... Pixelaram a minha vida e nela jogaram uma escala cinza que parece ser infinita. Aquilo tudo ocorrido um ano atrás está sendo revivido nos mais assustadores sonhos, tenho medo de deitar sozinha, mas você não está aqui. Naquela noite triste de choros sem fim jurei a mim mesma um recomeço e agora reafirmo minha promessa, mas eu quero fazer isso com você, compreende?  Por que não podemos começar tudo de novo? Com você vai ser tão mais fácil e tão menos doloroso... Você me feriu e com as minhas palavras, também te magoei. Vamos lá, que tal tentar? Tentar fazer o certo, tentar não nos machucar. Vamos lá, é a minha última chance de me regenerar e a nossa última chance de nos perdoarmos.


E por todas as vezes que te desprezei, mil perdões, estava tentando apenas te esquecer. Não consegui, então te peço: Vamos recomeçar e tornar a viver? Porque hoje me permiti deixar ver, eu não sou eu nem sou ninguém, sem você.



                                                                                                                                                                                                                        Angelina.












Ela une todas as coisas.








Eu sou só mais um cara, com dezessete anos, eu sou um cara e ultrapassei drasticamente os meus limites. Ela é apenas uma garota, dezesseis anos, uma garota que como tantas outras, ficou para trás. Ou será que não ficou? Essa garota que tem uma beleza doce, uma luz a mais nos olhos e uma voz meiga, parece ter vindo comigo, dentro de alguma dessas malas. Ou seria do meu coração? Isso é tão assustador... Tinham muitas vozes, muitos sons juntos e ela era o puro silêncio. Eu estava bobo, as palavras saíam aleatórias de minha boca e ela só sorria como uma menina, sorria. E com aquele sorriso, meu amigo, ela não precisava de olhos. Seus olhos... Eles me intimidavam. Angelina era seu nome. Ela deitou comigo na areia daquela praia e cantou uma música. Seu cantar era mais belo do que o de qualquer ave que sobrevoava o nosso céu. Ela tinha asas, seria mesmo um pássaro? Não, Angelina é nome de anjo, pude ter a certeza quando ela me abraçou. Os nossos corpos se encaixaram tão perfeitamente quanto a última peça restante de um quebra-cabeças... E após o abraço, veio o beijo que me estonteou mais do que qualquer outra coisa. Quem era ela? Que direito tinha de me roubar de mim mesmo e levar-me para o céu? Não sei, mas com ela deixei de ser o que os outros achavam que eu era, pude ser eu. Ela segurava a minha mão e me deixava tímido, ela foi a única que conseguiu fazer bater desenfreado o meu pulsar, ela derreteu o cubo de gelo instalado a tempos em meu peito com o calor de seu corpo. Ela não foi pra cama comigo, ela não se entregou à minha lábia de cafajeste, ela só me beijou de um jeito suave e me fez sorrir como uma criança, ela acendeu o brilho do meu olhar. Ela, ela é de uma realidade diferente da minha, de um estado diferente do meu, dois pólos distantes. Onde estou? Em um trem voltando pra casa, para o mundo que eles pensam que pertenço, que eu pensava que pertencia até conhecê-la. Passei a ser somente  dela e meu ser ficou sobre suas asas. Agora, olhando para as flores roxas pintadas no verde lá fora e com umas gotas salgadas escorrendo em meu rosto, percebo que eu não sou apenas mais um cara, eu sou um homem louco, louco por um anjo. Sou um homem que foi apresentado casualmente a um sentimento estranho chamado Amor.


"Ela uniu o mar com o meu olhar, ela nem precisa estar aqui, ela só precisa existir para me completar."



Ao som de Ela une todas as coisas - Jorge Vercilo.