Páginas

Esconde-esconde.






Natal, Rio Grande do Norte, 09 de janeiro de 2011.

Olá! Quanto tempo, não? Como sua boca provavelmente se encontra bastante aberta, feche-a e respire fundo, pois essa carta pode surpreendê-lo bastante... Não sei te dizer especificamente o motivo de vir te escrever, mas provavelmente entre tantos está a saudade. Ah, a saudade! O amor, a paixão, são representados pela cor vermelha por ser ela a cor do sangue, a cor do coração... A saudade é sangue preso e sangue preso é roxo. Saudade é feito um hematoma conseqüente de um impacto forte, é algo que está ali e muitas vezes em cantos que só nós podemos ver, só nos sabemos onde está e quando passamos a mão sobre ele, vem aquela dor fina, finíssima. Neste exato momento essa pontada atinge meu peito e se eu der bobeira meu amigo, me sufoca facilmente. Ouvi dizer por aí, que nos últimos tempos você andou assim, sentindo saudades de mim. Não! Não brigue com aquele a quem confiaste esse segredo, pois ele é teu amigo e só quer te ver bem. Bom, vamos lá, tenho tanto para te falar... Quero logo tratar de te pedir perdão por tudo aquilo que eu não fiz. Perdão por não ter telefonado nem escrito antes, perdão por não ter atendido aos seus milhares de telefonemas naquela última semana de julho. Perdão por ter fingido não te perdoar, ter fingido te odiar quando o que eu mais queria era deixar de lado o passado e andar um mundo de mãos dadas com você. Você sabe que o orgulho sempre esteve presente em mim. Erros foram cometidos em ambos os lados e feriram a ambos os corações. Qual foi mais estilhaçado não importa mais.  Hoje escutei aquela música na rádio, a primeira de Djavan que você tocou pra mim e realmente me senti tocada. Quer saber, quando é assim deixa vir do coração! Depois disso resolvi me inundar em versos, em poemas e estou aqui feito boba escrevendo sobre minhas teorias loucas acerca da saudade, escrevendo sobre amor, vencendo meu até então interminável orgulho e te pedindo perdão. Feito boba, meu bem! Feito uma criança boba! A minha velha agenda de capa roxa (por mera coincidência) está aqui do lado e nela tem seu nome escrito junto ao meu com a minha e com a sua letra. Ah, não quis mesmo te ligar... Não sei como meus ouvidos reagiriam perante tal situação, perante a volta de sua voz docemente grossa tão pertinho deles. E o meu coração? Sei lá do meu coração! Ele é e sempre foi tão imprevisível... Porém não mais do que você. Talvez tenha sido este o maior motivo do efeito que você causou (causa) sobre mim. Todo mundo gosta de chocolate meio-amargo... Só que eu sempre gostei do mais doce e você tinha cobertura de açúcar cristalizado. Mistério doce, doce e puro. Eu nunca consegui te desvendar sequer por metade, quem dirá por inteiro. Você sempre me falou que não conseguia ser comigo o que era com o resto das pessoas, mas nunca me contou quem era você. Qual é o seu segredo? Do que você tem medo? Não sou nenhum brinquedo que pode se quebrar! Medo de me machucar? Eu me transformei numa espécie de vidro temperado: Difícil de se quebrar e quando se quebra não sai espalhando cacos por aí, não fere mais ninguém. Optei por ser assim, meu bem. Por mim, optei ser assim. Talvez dentre tantos, meu maior erro foi ser sensível demais a você, coração demais pra você. Talvez o seu maior erro foi ter temido me machucar, ter temido arranhar minha pele com seus toques um tanto quanto ásperos. Eles não eram ásperos para mim, eram milhares de pedrinhas de açúcar, eram grãos de areia que com sua meiga aspereza me traziam paz. Meu amor, eu quero brincar de esconde-esconde com você, quero achar teus esconderijos e quero de vez em quando perder pra você somente para conservar esses teus mistérios que tanto me fascinam. Quero que você me conte algum deles de vez em quando, quero que me deixe aprender sobre eles sozinha também. Para isso preciso te ter aqui, pois não podemos brincar por telepatia. Quero correr ao teu lado, tentar te ultrapassar e por vezes te deixar chegar primeiro. Quero bater numa parede qualquer e gritar ACHEI! Teu amigo me deu este endereço e eu te achei mesmo primeiro, um a zero para mim. Só quero que responda a esta carta ao endereço escrito no envelope ou bata em minha porta seja lá qual for a hora. Quero que me ache para que seja a minha vez de procurar. Me deixa te achar? Me deixar te reencontrar? Me deixa te amar


Te aguardo para um beijo, um abraço e um café. Sempre sua, Angelina.



12 colecionadores!:

  1. Muito bom o texto, você soube usar palavras diferentes que deram um equilíbrio ao texto, não tornando-o repetitivo, isso conta muito em um texto, principalmente grande. Parabéns, muito bom o texto e o blog! Beijão

    http://sonhosdequalqueradolescente.blogspot.com/2011/05/conto-com-ajuda-de-voces.html

    ResponderExcluir
  2. Que ótimo texto, confesso que no começo olhei o tamanho e nem quis ler, mas daí eu começei e nem reparei no tanto de palavras que iam passando e quando vi ja tinha acabado, muito bom *-*.

    ResponderExcluir
  3. Belo texto, prendeu-me nas palavras e eu pude imaginar tantas coisas nas entrelinhas. :3

    ResponderExcluir
  4. Nossa adorei,
    me identifiquei
    *-*

    ResponderExcluir
  5. Aaaaaa, posso falar?

    Sim, você fugiu um pouco do tema proposto sim, mas a culpa foi em partes minha. Coloquei um trecho da música para ilustrar o que eu queria passar e acabei por confundi-las.

    Entretanto, a carta ficou sublime! Linda, de verdade.

    Tecnicamente sem erros, e criativa demais
    vooocê escreve com o coração e isto é lindo de se ver!

    Parabéns menina, sem palavras.

    Tenha um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  6. Um belo texto e uma bela exemplificação de que a saudade existe e é real, mas necessariamente resulta em coisas ruins. podemos dela tirar bons proveitos, mesmo que se resumam apenas em inspiração pra produzir obras como esta.
    Adorei e me identifiquei muito.

    ResponderExcluir
  7. Cara, me identifiquei demais. Ficou muito bom, você tem certa facilidade com palavras, parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Que texto lindo. Parabéns. Teu blog é perfeito. Me identifiquei muito com suas palavras.

    ResponderExcluir
  9. Puro orgulho. É normal não procurar alguém que amamos muito depois de qualquer coisa que ele tenha feito, por puro orgulho. Eu sempre me arrependo depois de não ter procurado quando eu queria procurar, perdoar logo depois de culpar e esquecer de tudo, para viver novamente como se nada tivesse acontecido. Só que quando somos assim não tem como mudar e vamos continuar nos culpando por isso sempre.

    Lindo, lindo e lindo! Amo seu blog *-*
    Beijinhos, se cuida s2

    ResponderExcluir
  10. Menina sou tua fã. Sempre que venho aqui fico de boca aberta, tentando descobrir se tudo que você escreve é verdadeiro. Se vem de dentro, ou se a sua mente e inteligência são ótimas e te fazem escrever assim, maravilhosamente.
    A carta ficou linda, com palavras e sentimentos únicos. Um dos seus melhores textos Rai, saudades daqui viu?
    Um beijo ;*

    ResponderExcluir
  11. www.celularespiao.org

    Se você precisar de um Grampo para telefone Celular, saiba que somos pioneiros na confecção destes equipamentos. Escuta de celular ou grampo telefonico Você grava tudo de forma totalmente segura e oculta e ainda pode receber as suas gravações por e-mail.

    ResponderExcluir
  12. concoordo com a gbi. sempre q venho aqui aparece coisa novas..
    o tamanho nao importa, e sim a qualidade ~~

    ResponderExcluir