Páginas

Sem fôlego.





Estou fadada, aos cacos, sem fôlego. Sinto frio e um desejo insaciável de você. Não estou a fim de nenhum ombro amigo e acho (quase tendo certeza) que quero chorar. As lembranças estão por toda parte... Nas paredes que testemunharam tristezas e alegrias, nas músicas, nos lugares por onde passo e na poeira dos livros que me destes. A saudade se finca entre as palavras de amor escritas em dezenas de pedaços e corações de papel, num xis no calendário e nas comédias românticas na estante da sala. Mesmo que o orgulho negue, sigo esperando o telefonema jamais recebido, a carta de amor nunca endereçada e vejo-me checando dia sim, dia não, a caixa de e-mails. Você partiu, ficaram as promessas... A gaiola sempre esteve aberta, mas estava certa de que você não partiria. Distraio-me, dou sorrisos, não preocupo os meus amigos, mas toda noite de insônia eu penso em te escrever para que do papel crie vida a minha dor, para que saibas que aqui ainda existe amor e tomes consciência de todo o mal que me fez. Pra expor o que eu nunca tive coragem de dizer, pra falar que quando estive com você o que tive tornou-se teu. Para dizer que me lembro de quando assistias às minhas temporárias partidas e me dizia que a coisa mais linda que podia haver no mundo era ver o amor sair pela porta e o vento trazendo-o de volta pela janela. Vejo agora o quão mais difícil torna-se a despedida quando ela é definitiva e como ainda assim pode ser linda, pois o trágico é bonito aos olhos de qualquer ser que sente. Nós éramos opostos, éramos o preenchimento do vazio, éramos correntezas de dois rios que indo em direções contrárias, cruzavam-se e tornavam-se um do outro, o destino. Quero te dizer que ainda te quero de volta, que estou disposta a qualquer coisa pra voltar a dormir... Abro novamente mão de mim para ser nós. Preciso te ter agora, preciso seguir sorrindo. Estou fadada. Aos cacos. Sem fôlego. Sem você.



"Então pegue o telefone
Ou um avião
Deixe de lado
Os compromissos marcados
Perdoa o que puder ser perdoado
Esquece o que não tiver perdão
E vamos voltar aquele lugar
Vamos voltar." (Perfeita Simetria - Engenheiros do Hawaii)