Páginas

E diga que me adora.

                

Sem coragem para levantar, sem um motivo sequer para fazer isso. O rádio relógio acordou-a pontualmente às seis tocando, para atenuar sua nostalgia, Adriana Calcanhotto. Ela cantava baixinho entre um soluço e outro, a letra adequava-se perfeitamente à sua situação. Pôs-se de joelhos na cama como quem paga uma promessa e afastou a cortina da janela. O sol ficou com dó, saiu de trás de uma nuvem, irradiou seu rosto e tentou -em vão- enxugar suas lágrimas. Ela passou a mão pelos cabelos despenteados e deitou-se novamente, ficou ali olhando para o teto, tentando reviver pela milésima vez aquelas tardes com tanto amor ao lado daquele rapaz.Agora ele se fora, ela tinha certeza plena de que ele não voltaria. Tinha certeza, mas não deixava a casa desarrumada, tinha na geladeira os ingredientes para fazer o doce preferido dele, usava sempre as camisolas que ele mais gostava. Tinha certeza, mas continuava a deixar uma chave embaixo do tapete, só pra que se, talvez, quem sabe? Assim... Ele decidisse fazer uma visitinha? Passar só pra dar um "oi", pegar alguns pertences, seus discos ou os rascunhos daquele livro que os dois estavam escrevendo há dois meses. Aliás, os rascunhos não, uma cópia talvez. Quem ele achava que era? Os rascunhos eram dela! A história era dela, ele só estava ajudando. Então começou a pensar em diálogos, imaginou discutindo com ele por causa dos malditos (digo, benditos) rascunhos, dizendo-lhe que já que ele era tão seguro de si, publicasse um livro sem nenhuma edição. Que ele podia ir embora, podia levar a casa junto, mas os rascunhos... Então parou, riu melancolicamente, pensou estar ficando louca e de fato estava. "Ele não vem, bobinha, você feriu o orgulho dele, ele não está mais nem aí pra você, essa discografia antiga ou esses rascunhos. Ele virou um canalha, aprenda! Não ouça seu coração, ele não sabe o que diz." Apertou com força a colcha da cama e sorriu. Lembrou de quando ele confundia aquele roxo com bege, ela o chamava de daltônico e ele dizia que, bege ou não, aquela cor não era nada sexy para lingerie. "Mas isso é uma colcha de cama, cara!" Ele dizia que de qualquer modo estava dada a dica. A porta estava entreaberta e enquanto ela estava presa em outra órbita de pensamento, pela brecha ele a observava. O rádio relógio tocou novamente para desespero dela, que esperneou como uma menina com o toque da música e começou a cantar, aos gritos.  
- ENTRE POR ESSA PORTA AGORA E DIGA QUE... 
- Eu te adoro, eu te amo, eu te quero de volta, eu te perdoo. - Disse ele enquanto entrava.
O coração dela quase parou, entrou numa crise de pranto enquanto ele aconchegava-a em seus braços.
- Então você não veio só buscar os rascunhos?
- Vim para continuar escrevendo-os com você. Para comer meu doce preferido, para tirar sua camisola que, cá para nós, é muito mais atraente que a cor dessa colcha.Vim para me instalar na sua cama e na sua vida outra vez.
Ela cantou quatro vezes seguidas o refrão daquela música, era a única maneira de dizer ao seu amado  tudo o que sentia naquele momento.

"Ainda tem o seu perfume
Pela casa
Ainda tem você na sala
Porque meu coração dispara
Quando tem o seu cheiro
Dentro de um livro
Dentro da noite veloz..."





19 colecionadores!:

  1. ‎"Que a cada manhã a sua coragem acorde bem juntinho de você, sorria pra você, e o convide para viverem uma história toda nova, apesar do cenário aparentemente costumeiro."

    Caio Fernando Abreu


    ...Que lindo este cantinho!!
    adorei aqui, e com certeza ficarei :)

    estou seguindo..
    retribui??

    beijos
    http://momentosdapathy.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Nossa Raa, que história linda. *-*
    Me vi em muitas frases e sempre querendo aquele amor carinhoso por perto, aquele sentimento que acalma e faz de suas músicas as melhores melodias. :)

    Lindo demais. *-*

    ResponderExcluir
  3. AAAAAI RAI, DEIXA DE SER LINDA PRA ESCREVER! Você vai me dizer: Ah, escrever bem é um dom que nem todos tem, Monique. :P KKKKK Não seja má comigo, porque eu venho aqui e me apaixono pelas suas historias. Enfim u.u Esse conto ficou demais, tão fofinho *-* Gostei muito do final, adoro finais felizes e isso é fato.

    Beijos,
    Monique <3

    ResponderExcluir
  4. Uau. Por que sempre viro sua personagem? kkkkkk Não houve uma vez que eu passei por aqui e não quis que a história fosse da minha vida. Acredito que todos podem escrever; mas nem todos podem impressionar. Você pode, não tenha dúvidas nunca :)

    http://gabipuppe.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Que lindo Railma, parabéns mesmo pelo texto, Beijos e um bom fds!
    http://psmylove4ever.blogspot.com.br/2012/03/vale-muito-pena-assistir_24.html

    ResponderExcluir
  6. Se me perguntarem eu vou dizer que não gosto de histórias românticas. Mas dessa eu gostei! :D

    Pena que essas coisas só acontecem no universo da ficção... :(


    Tenho um novo conto "A Nova Vizinha", depois se tiver um tempo dá uma olhada.



    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Nossa Railma, nossa. Gostei bastante do teu texto e da forma como foram apresentados os dois.
    É bem assim mesmo que acontece na maioria das vezes, rompemos, em seguida, criamos um diálogo de como iremos fazer quando ele voltar, do quanto iremos brigar e dizer umas 'verdades' a ele, mas, quando ele finalmente volta, ao invés de brigar, ele nos olha e diz que voltou para ficar.

    ResponderExcluir
  8. Perfeita a história.Parece cena de filme!

    ResponderExcluir
  9. Fico super feliz quando eu vejo que tem atualização no seu blog. Já não há mais formas de descrever o quanto seus textos são incríveis, Railma. Sabe que sou sua grande fã né? rs. Sério. Amei o texto, como todos os outros.

    "- ENTRE POR ESSA PORTA AGORA E DIGA QUE...
    - Eu te adoro, eu te amo, eu te quero de volta, eu te perdoo. - Disse ele enquanto entrava."

    Até arrepia nessa parte, rs.
    Ameei
    http://primeirapessoa-dosingular.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Não sei se, ao ler isto, meu desejo maior é de ter um amado ou de ter essa oportunidade de dizer a ele o que sinto, diante de todas dificuldades. Nossa...

    Já conheço seus textos e digo que me vejo neles.

    Se cuida.

    ResponderExcluir
  11. Queria saber escolher nomes para os meus personagens, nunca consigo. Risos. O texto ficou bom, envolve, acolhe.

    http://worse-or-better.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Noooossa!
    Tem dia q eu me sinto igualzinho...rs!!
    Foto perfeita!!
    Adorei!! =))
    Engraçado q parecee ate q minha ultima semana esta refletida nessas linhas...rs!
    q loko!
    Beijão!
    Parabens!

    ResponderExcluir
  13. Eu não tenho ninguém para fazer o que o personagem da sua história fez, nem para falar as coisas que ele falou, mas lendo seu texto dá uma vontade de ter esse alguém sabe?! Sei lá, o texto transmite sentimentos que eu queria estar sentindo agora :)

    Enfim, gostei muito da sua narrativa.

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Hey baby..lembra de mim?
    Eu não esqueci de você, acredite..só me pergunto porque você não entra mais no msn. Problema para outra hora.

    Sobre o texto..está interessante como sempre..mas não é comum. Você sabe que tem talento, não preciso repetir..e por mais romantica e clichê que seja, essa história prende de verdade.

    Parabens my love, continue assim.
    Espero aparecer aqui mais vezes..
    Não desapareça.

    Abraço do seu amigo Kobayashi

    ResponderExcluir
  15. Muito bom, todo mundo se indentificando com seu texto .


    Passa la ? opinioespromundo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Bem colocadas as palavras, ficou sensual esse final. hehe
    parabéns.

    ResponderExcluir
  17. otimo esse seu texto , você tem futuro (:

    ResponderExcluir
  18. Que belo texto Railma, que bonito viu? Você cada vez mais se supera, guria, fico presa cada vez mais em suas palavras, parabéns! Fico feliz que ele tinha voltado para ela, é triste perder um amor.

    ResponderExcluir
  19. O relógio marcava onze e quinze da noite, a beira da cama coberto por um edredom desbotado ele revirava um blogger quando achou um texto daquela tão conhecida Railma Medeiros e então mais uma vez veio a sensação estranha de ler como se fosse aquela pessoa que se foi. E então as lágrimas começam a escorrer pelo seu rosto. _pare de pensar como se fosse ela, ela não esta mais nem ai para você. Vai ver tudo isso é por que um dia eles brincaram de trocar os corações e juraram eternamente proteger o coração de cada um. Vai ver essas lágrimas são do coração dela que ainda bate no lugar do dele. E nessas horas, a mesma musica sempre lhe vem a cabeça, “Outra Vez” bem naquele trechinho que diz: Você foi a mentira sincera, brincadeira mais séria que me aconteceu.” E então ele percebe o quão tolo foi em crer em todas aquelas brincadeiras bobas. Talvez para ela.. fossem só brincadeiras.

    _____________________________________________________________

    Eu vejo direto no facebook seu nome em algumas postagens, mas só hoje resolvi ver quem é. Pensava que só pelos dois nomes que eles postam não acharia, seria encaminhado para aquele "o pensador". mas enfim, adorei esse seu "cantinho". Pretendo voltar todos os dias para ler esses tão belos textos que publicas.

    ResponderExcluir