Páginas

Twenty.




Como disse minha melhor amiga, a palavra é "obrigada".
Acabo de completar 20 anos. How old are you? Nunca mais pronunciarei o "teen" ao me apresentar na primeira aula de uma turma no inglês. Quão velha eu sou? Há pouco mais de um mês, ao voltar para casa de ônibus, me deparei com meu reflexo na janela e me vi ainda tão menina... Cheia de inseguranças, medos, esperança, fé nas pessoas - embora que um pouco menos. Quão velha eu sou? Nesta jornada há duas décadas, declaro não saber quase nada sobre a vida, que sempre me surpreende para o bem ou para o mal. A felicidade é um sentimento (ou conceito?) que abrange tantos outros... Cada ser traz consigo uma trajetória diferente para alcançar a plenitude, pessoas se frustram aos montes na vã tentativa de atender expectativas alheias, eu já estive inclusa nisso. 

A dor é condição existencial, assim como o amor. Se você está vivo, inevitavelmente sentirá. Acredito que o amor me ensina muito sobre o próximo, me conduz a sair da bolha, o meu coração disserta sobre como agirei. A dor, por sua vez, me ensina sobre mim: me põe em imersão dentro da minha personalidade, me faz pensar, realça minha visão sobre o mundo, faz com que eu reconheça os meus limites, me ajuda a ir pelo caminho certo. Sou grata por ter a capacidade de sentir, apesar das quedas, apesar da fraqueza e do temor. Sou uma pessoa que sente demais, consequentemente pensa demais, algumas vezes fala demais, escreve demais... De modo que certos momentos, para alguns até banais, são de extrema importância para mim. Estou aprendendo a lidar comigo, nunca deixarei de aprender

2015 não tem sido um ano fácil e, como resultado de um ano difícil, cresci muito. Acho que que crescer é a capacidade de continuar, independente do que aconteça ou de quem queira que você pare. Anos difíceis me fizeram reconhecer as verdadeiras amizades, os corações capazes de lidar, acolher, respeitar e entender os melhores e os piores sentimentos vindos de mim. Atender expectativas não é mais meu objetivo, porque as pessoas que realmente importam não esperam nada além do que eu sou. E isso me basta.

Obrigada a todos que me direcionaram bons pensamentos, sentimentos e palavras, obrigada em especial aos que fazem isso sempre. Obrigada, universo, por ter trazido quem me faz sorrir de verdade até em um dia complicado, cansativo e auto reflexivo. Obrigada, vida, por me mostrar que sou pequena, bem pequena e, ainda assim, me torno grande no peito de quem me ama.

Railma Medeiros

1 colecionadores!:

  1. Oiiii! Coisa boa abrir o blog e ver um comentário seu. Beijos!

    ResponderExcluir